segunda-feira, 24 de abril de 2017


Incoerente, com verdades que só eu entendo. 
A perfeição de seu rosto estampada. 
Em mim face de errante, simplificando. 
Temperamento forte de ar duvidoso. 
Minhas receitas todas erradas, anotadas em papel de pão. 
O relógio está parado ha horas.
Tem noites que durmo nas ruas e nas mesas dos bares. 
Nem respondo as cartas que chegaram falando de amor...
Nostalgia.
Meu tênis e roupas sujas.
Caminhando em direção ao que todos temiam. 
Abandonou pessoas, planos, já perdi as contas. 
Apenas volte... 
Diga que não é isso que você quer?
Posso ter medo, porem sei lutar contra suas artimanhas. 
Suas roupas passadas, seu ar de bom moço. 
Tudo na mente é um engano. 
Minhas criticas são só meu desfrute. 
Quando deito em sua cama esquece que estou do lado errado. 
O sorriso de felicidade quando saio não é só seu. 
Criados em função de seus medos.
O jogo já começou e você está perdendo. 
Quero aprender algo que você são saiba.
No momento vou ficar deste lado da rua.
Porem seu relógio não está parado e só você não notou.


Simplesmente nasci sonhador . 
E noto que meu grande valor está nisso. 
Eles me fazem querer acordar pela manhã.
Reduzindo minhas limitações. 
Sem tal nem abriria os olhos. 
E os tenho pela noite incrivelmente claros. 
Durmo abraçado a ele. 
Se estou perdido eles gritaram em que direção seguir.
Mesmo quando saio sem rumo eles dizem que estou no lugar certo. 
Na chuva me aquecem.
Tenho um cesto cheio de deles.
Não sei de onde vem, chegam invadem minha vida e sou tomado por eles. 
No medo me fortalece.
E quando um se vai.. vem outro e toma seu lugar.
Quando acho que não vou encontra-los eles batem a minha porta. 

 Idealista 

Logo que me dei conta da vida, notei que todos tinham sonhos;
Meus ideais eram limitados.
Já tinha o bastante para uma sob-vida.
De família pobre, não tinha muito que esperar, 
Sonhava com tão pouco, e achava que era muito. 
É fácil imaginar os meus maiores desejos. 
Um abraço já fartava-me da felicidade, 
Era necessário tão pouco!
Minhas brincadeiras tristes, sorriso tímido.
Acho que deveria voltar ao que era.
Quem sabe assim?
A felicidade me rodeava na noite e por todos os cômodos da casa.
Televisão sem cores, não tive fome essa noite. 
Eu eu nem sabia o quanto valioso era isso. 
E agora desfrutando de todos os prazeres, 
Não tenho nem a metade da felicidade de quando estava em minha ignorância. 
Hoje tenho grandes sonhos.
E muitos, que não cabem no papel.
A lucidez me volta aos poucos. 
De família pobre, não tinha muito que esperar, já tinha o suficiente. 

Mutante

O silêncio ao vento!
Pra mudar a minha sorte.
Gostaria de fugir, sumir desta realidade. 
Minhas verdades estão todas perdidas!
Não posso, estou amarrado a essa situação. 
Fiquei embriagado as ultimas noites pra esquecer, mas só piora ...
Alguma coisa!
Um milagre, uma mudança, alguem apareça e faça uma alteração. 
Meus venenos não funcionam mais!
Rasguei meu contrato com a sorte. 
Me joguei ao vento.
Aberto as mudanças. 
Estou despido de idéias e sonhos,
Tudo está a meu favor, não tenho apego a nada. 
Sejam bem vindos sonhos, amores, minha porta ficará aberta.





Tantas coisas tenho para contar!
Das noites que pareciam eternas.
Mudei de cidade varias vezes.
Amei pessoas que não conhecia.
Rasguei minhas roupas.
Tive vergonha de meu corpo
Andei pela madrugada com fome e frio.
Senti dores inacreditáveis.
Vivi um amor de verdade, desse de querer morrer.
Chorei de alegria e sorri de tristeza.
Conheci o lugar mais lindo do mundo com a pessoa mais linda.
Fui enganado.
Recebi tantos “Não” que você ficaria surpreso.
Fui para festas lindas e conheci pessoas “feias”.
Idas e vindas de amores.
Lutei contra meu pré-conceito.
Conheci o lugar mais pobre do mundo.
Fiz amigos e perdi alguns.
Errei mais ainda e aprendi com meus erros.
Na dor aprendi a me importar.
Perdi tudo, e recomecei.
Fiquei com muito medo,
E quando deixei de me importar...
Muita coisa mudou, eu mudei.

Avareza 
Sai de casa com apenas algumas moedas!
No bolso escondidas apenas elas barulhentas.
Já apressado nem deu pra conta-las
Sai pra ver a cidade e o que ela se tornou.
De dentro do meu quarto não é possível notar.
Durante toda a noite que passara planejei o que faria com as moedas.
A cidade é grande, tantas possibilidades, e só precisava daquelas moedas.
Sim parece pouco!
Mas na realidade era pouco dinheiro, quase nada!
Comprar algo para satisfazer meu desejo de consumir, nada muito grandioso.
Não dava pra comprar roupas tão pouco.
Ah! tolice a minha !
Com apenas aquelas moedas não teria muito a ser feito?
Já na primeira loja de doces comprei alguns de meus preferidos.
Sobraram poucas, o bendito dos doces era um dos mais caros entre os mais baratos.
O que faria com o restante do dinheiro?
Malditas moedas não dava pra compra nada de importância.
Distraido mas possibilidades, alguem tocou-me.
Com um olhar de fome, estendeu sua pequena mãozinha.
E mesmo sem ser dita uma palavra notei que ele pedia meu dinheiro.
Não sei o motivo de minha exitação, era tão pouco dinheiro; sem reação entreguei.
O pequeno correu para uma banca de frutas que estava logo a frente.
E com aquelas poucas moedas comprou uma fruta. E saltitante dobrou a esquina.
Senti-me envergonhado, pois tinha feito tantos planos para as moedas.
E com apenas uma parte o pequeno tinha em suas mãos ao seu ver, algo de grande valor.
Acabou com sua fome, fome essa que eu não tinha. Na realidade nem sabia como gastaria a quantia.
Mas na realidade o que eu tinha era pouco dinheiro, quase nada!
Oque eu achava pouco, era suficiente para quele menino.
Voltei para casa e notei que a cidade era a mesma com suas injustiças e diferenças.







Esqueceu todas as suas promessas?
Falas vazias de um tempo que não tenho mais.
Tudo sempre aparentava ser tão simples!
As palavras se vão, minhas cartas ficaram na mesa de sua sala.
Escondido pois minguem podia saber.
Foi chorando que você me procurou na ultima visita !
Eu confuso e você perdido .
Pela razão ficamos distantes.
No seu tempo eu era tão mais absoluto !
Seu silencio reforça minha tristeza.
Sei que não é sua culpa, ela é toda do tempo !
E aos poucos ouço uma suave melodia.
No tempo o sol nascendo.
Vejo em suas palavras medo, dor.
Mas somente no passado elas existem.
E no passado eu não existo.
São poucos os versos seu que eu ainda lembro.
Estou no presente distante e feliz por outras razoes.


Onde estão meus brinquedos ?
Gostaria de acabar logo com tudo !
Meu carro de mentira.
Acordei tentando ser mais corajoso.
Tinha medo de monstros, hoje durmo afagado por eles. 


É tempestuoso escrever o que escondo no coração.
A casa cheia brinquedos, não vou guardar!
É que posso sentir falta...
O vazio claro!

Amor um objeto, uma atividade lúdica?
Meu faz de conta ou cantos de ninar?
As folhas de minha agenda já estão todas ocupadas.
Minha pele molhada de suor. 
Só as musicas antigas de um cantor que minha mãe não gosta, dizem o que sinto. 

Não tenho medo de você, é medo de ficar! 
Todos já notaram que sou forte. 
Meus heróis perderam seus poderes!
Você levou meu melhor pijama!

O silencio causa medo.
Assustador pensar que saio de casa por estar só!
O espelho só me conta mentiras!
Meus heróis mortos, confuso e sem direção !


Quando nasci estava disposto a vencer !
Conheci pessoas que logo no inicio pareciam destinadas ao sucesso.
Teria feito de tudo para que estivéssemos juntos neste momento.
Saberia enxugar suas lagrimas. 
Esperei por muito tempo a realização de nossos sonhos!
Na madrugada corríamos juntos, falávamos de sonhos que nunca aconteceriam.

Tento entender o que queres de mim?
Lembro apenas das flores de hibisco!
Não tenho respostas para suas perguntas.
Ficou na memoria apenas alguns fragmentos de momentos.
Hoje te vejo sofrer por perder alguem que tanto amava e só consigo lembrar das flores de hibisco!

Malditas flores !
Se naquele momento já soubesse das suas dores futuras e de todo fracasso que lhe aguardava.
Sei que elas estavam presentes.
Mas deveria haver algo mais grandioso a ser lembrado.

Todos só sabem falar das mesmas coisas,eu só sei destas flores malditas !
Elas deixavam seu cheiro em tudo e todos, enfeitavam a cidade como maldição. É bom lembrar de ti, e mórbido sonhar com flores. 
Aos poucos via que todos partiam. 
Os caminhos são o mesmos com suas flores e lagrimas. 


Da chuva são todas as palavras!
As que não podiam ser ditas.
As que teimavam em não existir !
Não sei o que é pior, ter o que dizer ou não poder dizer !

Na chuva lavo minha mete.
Ela leva meus medos e traz outros.
Fico com sono só em lembrar !

Lavo meu rosto.
Já tomo remédios na mesa do bar !
Sou simplesmente feliz.
Meu olhar triste é só pra espantar a inveja dos outros. 

Na chuva esqueço da minha rotina de dores e medos.
Faz tempo que não tenho desejos. 
Eles se vão, a chuva me faz não querer levantar.
Fico aqui em minha cama esperando a morte.
Ela demora, e a chuva já vem . 

Minha bagunça já não me agrada. 
Meus sonhos e planos já se perderam na chuva.
Minhas roupas não secam mais, estão molhados por dentro e por fora.
Namorados brigam em todas as casas, aqui está tudo bem !!

Perdi minha aliança quando tomava banho. 
Ela foi levada pela chuva e nem sinalizou que estava partindo. 
Tentei impor a culpa a chuva, tolice a minha pois ela já havia ido. 
Sem provas e molhado agora sem meu guarda-chuva. 
E deixo todas as palavras a chuva. 



Todas as coisas que foram ditas quando eu era apenas uma criança. 
Digo-te que Deus ainda vive em meu coração.
Não adianta fechar todas as portas, 
Eu ainda gritarei adeus. 
Quando me admirava eu ainda era uma criança. 
Perdoa-me está tudo aqui dentro, ainda sou o mesmo.
Se te desapontei não foi por querer!
Você não falhou!

Fui eu quem escolheu outro caminho, o mais doloroso!
Sei que isso não fazia parte de seus planos!
Agradeço todas as suas orações.
e faço a você as minhas !

Tudo que eu sempre quis foi te ver feliz!
Ainda lembro-me de suas lagrimas,
das noites mal dormidas por minha causa. 
Mas agora em seus braços aqui chorando nada digo. 


Quando acordei minhas dores já gritavam insistentemente.
As pessoas que eu disse que logo voltaria, é a mais pura mentira.
Existem também aquelas que nem me despedi, por não gostar de um adeus, na ultima visita sem que elas notassem disse: até breve!
Ainda lembro-me de seu rosto uma expectativa que teria mais tempo para uma despedida, mais calorosa com direito as lagrimas e todo o ritual do adeus.

Outras preferiam nem estar lá na hora de minha partida, essa eu fazia questão de vê-la até o ultimo minuto, porem com medo deste momento preferiu declinar-se de seu papel de importância.
Fazer tudo diferente.
Lembranças me fazem querer meu diário está cada vez mais resumido.

Lembro que quando parti, não tinha a quem dizer adeus tão pouco um até logo.
Chorei sozinho no carro.
A mesma musica tocou por horas.
Tinha planejado por tempos minha partida, e agora chorava.

As pessoas que ficaram nunca vou saber de suas lagrimas, por certeza foram muitas.
Sei das dores de uma mãe que é deixada.
Minas roupas ainda estão lá.
As promessas de um menino bom também!
Aos poucos sou esquecido.
Na cidade que já anoitece ninguém notou minha ausência.


Na rua caminhava lentamente...
No carrinho carrego toda minha vida, o único amigo é um cão, com quem divido tudo, e ele sempre feliz.
Nestes passos lentos, pela dor de meus sapatos gastos.
Paro o carrinho no meio da avenida sem medo de nada.
Trago papel lixo e dor.
Lixo de onde tiro meu alimento.
Esqueci onde foi que me perdi.
Agora falando sozinho e sem medo.
Perdi a consciência de minhas dores, suas causas.
Nas ruas onde durmo meus sonhos são confusos, acho que não sei mais o que é real.
Minhas roupas rasgadas.
Hoje não tenho nada para dar a meu amigo.
Tenho sede de vida, medo da noite...
Não tenho planos, não me permitiram ter.


As flores ainda estão na escada, saiu desesperadamente que nem notou que elas caíram.
Foi cambaleando até a esquina, chorando entrou em seu carro.
Portas abertas, lágrimas recorrentes e constantes.
Na sua direção gritava da sacada do prédio, o choro era mútuo.
Sua velocidade assustava os passantes e faziam um som assustador.
Na janela gritos e pedidos de perdão, já não era possível ouvi-los.
A distancia tomou conta de si.
Não havia nada a fazer.
Os outros carros passavam e não era possível ouvir!
Lembrou das flores, já era tarde.
A distância e a dor já impediam a voltar.
No prédio das flores todos gritavam.
Lentamente saltou da sacada em direção ao solo.
Eram apenas cinco andares, tristes andares!
Já era tarde.
Na velocidade do carro a mente já não acompanhava o coração.
Resolveu voltar, tinha que falar de sua dor e entregar as flores que ficara na escada.
Em tom bruto retornou; nada sabia foi o seu encontro.
Desastrado encontro, na escada estão as flores.
Na chuva e na dor agora estirada pelo chão. 

Totalizo sentimentos que não entendo.
Temo tanto ser só ser mais um.
Sou simplesmente mais um.
Resolvi mudar todos os meus acertos para erros.
Não sou bom em nada, não tenho grandes talentos.
Na chuva forte de verão que deixa ferimento sem cura.
Fragilizado por momentos que já se foram.
Fantasiando vidas que não são minhas.
Falando de coisas que não entendo...
Fadado a ignorância de ser o que não quero .
Chorando em qualquer esquina.
Cantando musicas que não são minhas.
Construindo casas que não são a meu prazer.

Preparando donzelas para bailes que não vou.
E amando pessoas que não são minhas.

Sujo
A pureza se foi !
Bondade tatuada em meu peito foi arrancada por suas lagrimas.
Verdade foi posta a prova.
Sorriso calmo tornou-se medonho.
Sexo antes cheio de amor é pura paixão e pecado.
Desisti de ser menino bom!
Agora em diante vou remar contra a maré!
A paciência se foi na batalha na noite que termina!
Minhas rezas são mais fortes e tem mais resultados.
Olhar de anjo caído, asas quebradas e cheiro de medo.
Vou deixar de ser justo com os outros e injusto com minhas verdades!
O menino se foi e aqui ficou o homem!
O anjo da guarda fugiu com medo dos meus pesadelos.
As feridas já estão curadas e minha armadura foi revigorada.

Posto a prova por minha bondade.
E agora coloco em prova suas verdades.
Fiz aliança com o inimigo pra não te perder, só pra não te perder.

Luxuria 
Veste-me com mais rigor que nunca.
Um prazer puro e claro se expõe.
Somente em sua cama, somos completos.
Só eu e você em nossa cama.
Dores prazerosas.
Quando a enfermidade chega esse é meu melhor remédio.
Pensamentos se derramam entre seus lençóis.
O sorriso é mais feliz e leve.
Medo do escuro é pouco para tanta armadura.
lagrimas foram limpas em seus lençóis.
Os sonhos são mais felizes,
Meu frio é pouco pra tanto calor.
Corpo solto e feliz, sinto que sou livre.
Embriagado mesmo que distante o único lugar que acho sem oscilar.
Repleto de ti renovo minhas forças .
Alimentando esperanças sem sentido.
As saídas foram lacradas para que ninguém saia, não quero ficar só.
Era simples te entender, mas como saber do que nunca senti.
Esperei-te por horas e quando cheguei estava aos prantos.
Estou preso a realidade que criei, cultivando dores e as fazendo crescer.
Foi fácil falar de coisas tristes.
Meus dias são repletos de mesmices, por minha culpa.
Os relógios correm para não contar que horas são.
Pulei em teus braços, minha felicidade misturou-se com sua dor.
Seu carro veio lentamente até mim.
Todas as cartas que eu leio são de pessoas do passado, coisas que não existem mais.
Velas que deixou pela casa, queimaram toda mobilha.
E suas cinzas vestem minha cama.
As dores já são suas e não minhas.
Não as quero de volta, nunca. 
Acordo com um beijo seu, e um “boa noite meu amor!” me faz dormir.
Minhas dores são mais brandas com seu afago.
E sabes tudo na medida em que preciso. 
Não quero citar nossas dores, sei que tivemos!
Elas foram esquecidas para em nos reforçar o amor!



Intolerância 
Com clareza seus atos são revelados em meu coração. 
Quando deixa minha cama pela manhã e beija minha face, quase que religiosamente,
Mesmo que meu sono seja mais forte que seu toque. 
É bom pensar que te tenho.
E me tens tão seu que nem sei aonde meus sonhos vão longe de ti.
Estás no meu começo e fim, onde não saberia esconder.
Todos sabem de nosso amor, mas temos segredos que só cabem a nós.
Somos cúmplices, pecamos contra nós mesmo.
A tempos não pensava no quanto te amo, acho que já se fez rotina em meu coração.



Minhas causas eram outras.
Minhas lutas são as mesmas porem minhas causas mudaram.
Saberia estabelecer uma regra aos meus sentimentos?
Minha arvore de sonhos está com seu ultimo fruto a apodrecer ainda verde.
Tenho plantado coisas que não era só para meu prazer e sim a todos.
Sou podado quando acordo.
Limitado por minhas escolhas.
Sempre utilizo os termos “minhas, meus” não deveria ser desta forma, visto que meus sonhos não são só a mim.
Minha fome é a mesma que a sua.
Minha dor não é mais intensa,.
Pede calma?
Meus gritos não mudam nada. 
Meu choro também na faz a diferença.
Os “meus” e “minhas” sempre estarão entre nós.
Nunca serei o que queres, pois os “meus” são maiores que os “seus”.

Pobreza 

Aglomerados, sem saber onde termina um e começa outro.
Uma mistura de mundos de dores e alegrias, mais louco que nunca.
Chuva pela manhã e sol durante a tarde, vento todas as noites !
Afago minhas dores , elas só almentam.
Fotografias espalhas pela sala me dizem que devo esquecer...
Minha conciencia ainda é clara.
Sou aptrolelado por coisas que eu queria não ter de lembrar !
Passeio pela cidade e nas ruas, minha cama está tão fria .
Meus dias são os mesmos. 
Remedios estão acabando, já não tem o mesmo efeito.
E minhas lembranças brincando. 
Acho que uma sobrepoe a outra, sem dor nem piedade.
Tive outro pesadelo e não quero voltar pra cama.
Estive doente por dias, minhas dores não deixavam esquecer.
Minhas verdades são todas erradas.
Grito na janela, mas daqui do setimo andar acho que ninguem vai escultar.

Preguiça 
Danço na mesma melodia que embala seu sono, para tentar fazer completar o que foi dito.
Entoarei todos os meus versos antes que seu sono venha.
Os braceletes que recebi de ti estão a me proteger com força e vida.
Por mais próximo que possa estar não sentes as minhas dores, ninguém pode.
Quero ficar surdo, e antes só ouvir sua voz.
Fiz o sinal da cruz com mais fervor essa noite. Serás velado por todos os bons.
Tome seus remédios antes do sono e faça uma nova prece. 
Estarei aqui para cantar durante suas noites, sempre que puder.
Estive preso por vidas, quando me libertei e abri os olhos, não havia nada.
Nunca quero ver em sua face lagrimas, principalmente por minha culpa.
Quando você adormecer ficarei assentado no canto do seu quarto sussurrando com minhas lagrimas até que chegue o sol.
Faço isso para que saibas e sinta minha presença durante seu sono e para que quando meu sono vier não tenha que velar minhas lembranças.

Boêmio 
Lá fora a cidade pulsa, sinto em meus pés sua vida e vigor
Luzes em minha sala rodopiam, as vejo em todas as direções.
Em minha cabeça vozes tristes e felizes.
Inquieto mais que nunca nesta cama. 
De quem são essas vozes? Gritam e sorriem desordenadamente. 
As luzes da cidade vão lentamente se apagando.
Na madrugada que segue rostos e memórias que não conheço. 
Uma vela no meio da escuridão abre as portas para mundos de outros.
Vagarosamente os passantes de minha vida distanciam-se.
Palhaços pelas madrugadas, festas majestosas.
Aqui somente a melodiosa cantiga do vento. 
É possível revelar o segredo de outras pessoas sem culpa?
Meu sono não vem, meus pensamentos esses não param brincam pelo corredor,quarto e cozinha. 
Eles foram pelas ruas, se perderam no tempo. 
Minhas emoções foram roubadas.
Mas agora minha lucidez entrego a ti sono amigo.


Tantas bobagens que escrevo.
Sou simplesmente egoísta.
Sorri desesperadamente por horas.
Que futuro?
Parece otimismo não esperar nada do futuro.
O pecado trouxe-me feridas que sangram.
Mão tremula já não consegue nem escrever!
Meus poucos anos de vida mal vividos. 
Gostaria de contar a elas todas minhas fantasias.
Caminhada em direção a lugar nenhum.
Ausência de tudo, medo, dor lagrimas.
As pessoas vistas de minha sacada são tão felizes.
As folhas jogadas ao chão, palavras que jamais voltarão.
Não vou contar nada a ninguém. 

Indiferente 
Aceitar que posso ser tão importante quanto você. 
Acho que sempre faço tudo sem pensar .
Um dia eu acerto.
Amo-te muito mais do que possa parecer.
Chorei a noite toda.
Eu nunca vou me entender 
Gosto de sentir a vida pulsar em mim, ela se vai entre meus dedos.
Hoje somente hoje,deixa eu dormir aqui.
Hoje você falou meu nome em um tom que eu jamais ouvi.
Já vivi longe de você e não foi uma boa experiência.
Juro, eu faço o impossível pra mostrar meu valor a você, pois é pra você que existo.
Linda musica que me lembra de coisas tristes.
Minha casa está tão triste. 
Não falarias estas coisas se realmente não estivessem em meu coração. 
Não quero te ver assim.
Olho pela janela e o medo me toma por completo 
Passo os dias tentando melhorar, sei que posso.
Pensar em você e depois em mim seria o melhor !
Provar que realmente já estou pronto. 
Risos pela sala.
Sei que não sou o que você pensou.
Tentaria reverter a situação se tivesse mais uma oportunidade.
Tento não ser tão triste. 
Você sempre me viu como incapaz
Volte pra casa mais cedo hoje!
Vou te amar.
Não quero mais te ver.
Na saída deixe a porta abeta para que eu possa voltar.
Sempre escolho o caminho errado mesmo. 
Sei que eu já não tenho um caminho longe de ti.
É um dia eu acerto e você erra. 


Janela, de sorriso simples.
Gostaria de ficar mais tempo aqui,
olhar seu sorriso pela manhã.
Todos os dias te vejo logo ao acordar, saio correndo com medo da chuva.
Gostaria mais que ela me levasse, limpasse minha alma e coração.
Janela que esconde meus pecados mais carnais. 
Sua transparência me esconde um mundo que não conheço.
Vou jogar-me por ti, só pra saber o que tens a revelar !
São apenas janelas.
Lindas, claras, simples e majestosas, hoje adormeci te admirando.
Tu também existe minha mente, onde me leva a lugares que nunca entendo.
Acho que não é pra entender.
Minha emoção acaba, desgastada por tantos pensamentos perdidos dentro de ti.
Minha lagrima se forma aos poucos, olho além de ti.
Tantas vidas amores futuro e caminhos.
Aqui de onde estou, poucas palavras cabem em meu coração. 
Não conheço o mundo, não conheço os seus caminhos nem suas horas. 
Janela leve-me o mais distante de ti.
Onde não possa ver-te. 
Choro novamente, não por lamentar, mas por não saber esperar.
Janela querida me perdoe pelo sofrimento que te fiz.
Sua beleza me encanta e me traz respostas, estas estão alem de ti
onde não posso viver. 
Janela além de ti exite um abismo.
Se me jogar muito hei de saber e uma vida posso perder !
Te amo janela e entenda -me. 


Se fez em um minuto toda minha existência,
Os primários erros e falhas circunstanciais.
Quatro cantos sozinho neste quarto.
Apanhei todos os segundos deste minuto em minha mão.
Que trapos sobraram de minhas alegrias recolhida
Essas fotos de pessoas que nem conheço mais.
Gostaria de falar sobre coisas jamais ditas sonhos ainda não inventados.
Mas só lembro que meu dinheiro acabou e meu medo já vem .




Cidade cinza das ilusões perdidas dos sonhos vencidos.
Minhas falsas esperanças de uma realidade que não conheço.
Apenas vista em sonhos. 
Tantas janelas possibilidades, algumas com as luzes apagadas.
Te vejo ao longe.
Desesperado correndo, medo?
A chuva já cai suja, lama repleta de vida e dor. 
Flechas com sangue tirado de pobres pecadores, que pecado ?
Meu sonho é melhor que a realidade,.
Corações cinzas, cidades limpas, felicidade comprada. 
Não temo a morte ela me traz a curiosidade.

Cidade cinza de ilusões vencidas, da realidade estampada em minha face. 
Tantas portas, saídas, luzes acesas. 
O Céu rasgado gritando de medo. 
Era triste o fato de ter que viver. 
iluminação celeste, fatos concretizados pela leveza de seu semblante límpido. 
Sol , muda-te vai para longe onde não possa encontrar-te. 
Cristais cortantes de luz divina e tanta dor, 
amigos, para sempre em um pedaço de minha alma, causa-me dor.
Céu vermelho embriaga minha mente de dúvidas.
Na cena que choravas em meus braços parceias mais bela que hoje. 
Seu mundo inventado aos prantos por verdades de outras pessoas, é um fardo que direcionas ao chão. 
Já ouço seus gritos da sacada de meu prédio.




Pensei varias vezes em uma forma de descrever como me sinto.
Medo corre por meu corpo, todos meus pelos parecem ter vida própria, desesperados, mente em disparada, meus olhos precorrem toda sala branca, sua musica dói minha alma. 
Tento sorrir, acho que o sorriso parece mais sofrido que meu choro. 
Seus olhos, deixo com mais medo, meu medo não é de morrer e sim de te deixar !
Luzes verdes, minha pele sem cor, toda cidade canta, caminhamos nus.
Seus carros passam na velocidade impecável de uma foto, 
minhas perguntas são esclarecidas pouco a pouco. 
Seu choro não me causa nenhuma sensação, sei que tenho que voltar.
Passeio relatando toda minha aventura, sua atenção me faz dizer a verdade.
Nasci de novo para morrer, porem nesta aventura passei mais perto de você.
Será que me apresentei sem segredos?
Sua pele está tão bonita nem me lembro como era seu rosto da ultima vez que o vi.
Acenda a luz e aproxime-se.
Não vou adormecer. 
Vou ficar e contar todas as minhas aventuras, todas as cidades que conheci,
quero falar dos lugares que estivemos juntos e dos que fui sem sua companhia. 
Falar de todas as vezes que nasci e também de minhas mortes, longas caminhadas ao fim de tarde. Lembrar que ouvi sua respiração quando velava seu sono e nem sentias minha presença.
Meu medo simples meus amores verdadeiros. 
Minhas noites frias em varias partes do mundo. 
Idas e vindas tentando te contar coisas simples, relatos corriqueiros. Não acenda a luz e volte a dormir


Fatos e relatos, destinos perdidos pelo caminho.
Noites de sono perdias, simples lembranças, do que não podia mudar.
Estruturas construídas por sangue e suor, nem recompensa nem medo.
Dois caminhos, minha tristeza não e mesma da volta, um histórico triste de verdades perdias.
Desprezado tempo de amores inacabados e justiça presente.
Realeza simples, passos sofridos logo ao acordar.
Todos os dias quando caminhava via um casal de namorados, tristes juntos!
As luzes da cidade apagaram mais cedo que esperava, na chuva fina que cai quando o dia 

Dias de medo, tardes sem espectativas
lavo minhas vestes em aguas sujas, constantes . 
Meu corpo destemido é vencido. 
poucas verdades doem tanto. 
Simplório porem real.
Termino inesperado lamentos perdidos 
Onde encontrar um recomeço ?
Direciono meu olhar ao céu, sem respostas. 
O sorriso foi arrancado sem medo ou vergonha. 
Acordando mais cedo saiu as pressas esqueceu o caminho de volta. 
Verdades simples derramada em minha face, meu choro grita percorre meu corpo.
Anotações esquecidas simples relatos de outros tempos.
Posso desaparecer em segundos, poucas vestes cobrem meu corpo, minha fala vazia. 
O coração aprimorado e minha musica sofre mais. 
Amargo sangue que corre em minhas veias.
Sono perdido em vão, não fez nada em meu favor.
Gritos pela madrugada de angustia e dor, pessoas felizes não sabem anoitecer.
E meu sono vem, toma meu corpo minha mente e minhas verdades. 
Tentei viver o presente, em alguns minutos o presente foi esquecido.
Oque fazer ?
Nunca tenho as respostas …
Meu choro não vale no passado, minhas verdades só valem hoje!


Vale a pena lutar por causas perdidas ?
Vou subir mais alto pra depois cair?
Amar sem saber se sou correspondido.
Faço indagação;
Não terei respostas. 
Procuro no mais intimo do meu ser a resposta..
Sempre escolho o caminho mais doloroso, acho que meu coração tem pré disposição a sofrer.
Minha mente vazia me prega peças.
Qual o motivo de bater em uma porta que está aberta?
Não posso voltar no tempo nas ruas que já passei. 
Nunca serei feliz por um dia inteiro.
Vale lutar pelo que não conhecemos ?
O universo brinca com meu coração.
Minhas possibilidades se vão a cada segundo.



Postar um comentário